Segunda - Sexta: 09:00 - 13:00 e 14:00 - 18:30
Escritório: Rua Cândido dos Reis, nº 51 - R/C direito, 3510-057
Visite as nossas páginas sociais:

Contribuintes com contabilidade organizada terão omitido 437,8 milhões de euros de rendimentos

Julho 14, 2020por contiviseu0

“A Inspeção-Geral de Finanças detetou indícios de evasão fiscal de cerca de 437,8 milhões de euros de rendimento potencialmente não tributado junto de contribuintes da categoria B com contabilidade organizada e sugere limites no acesso ao regime.

As situações e o valor dos rendimentos potencialmente não tributados são uma das conclusões a que chegou a Inspeção-Geral de Finanças (IGF) durante uma auditoria para verificar a eficácia do controlo da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) junto dos contribuintes que auferem rendimentos da categoria B do IRS, mas que estão enquadrados no regime de contabilidade organizada.

Em causa estão, por exemplo, profissionais liberais, sendo que o regime de contabilidade organizada é obrigatório para quem fatura mais de 200 mil euros por ano e opcional para quem fatura abaixo deste valor, mas não quer ficar no regime simplificado – em que o fisco assume como despesa da atividade uma determinada percentagem do rendimento declarado.

Nesta auditoria, focada no biénio 2015/2016 e cujo relatório foi agora divulgado publicamente, foram identificados “fortes indícios de evasão fiscal que, no período auditado, poderá ascender a 437,8 milhões de euros de rendimento potencialmente não tributado”.>

Em causa estão, assinala a IGF, situações de “subfaturação ou subvalorização dos inventários, custos de fornecimentos e serviços externos superiores aos proveitos, não acréscimo na declaração modelo 3 de IRS de custos não aceites fiscalmente e omissão de imposto relativo à tributação autónoma”.

Além da parcela de rendimento que terá ficado por tributar, como consequência da redução indevida da matéria tributável, alguns destes contribuintes “acederam indevidamente a benefícios e prestações sociais”.

Recorde-se que o acesso a algumas prestações sociais, como o abono de família ou a mensalidade das creches e jardins de infância comparticipadas pela Segurança Social, por exemplo, depende do valor de rendimentos declarado pelo agregado familiar.

No decurso desta auditoria, a IGF detetou ainda falhas de validação entre o cadastro e as declarações de rendimento destes contribuintes (Anexo C) e verificou que 7% não entregaram a Informação Empresarial Simplificada (IES), incumprimento este que não foi sancionado pela AT.

“A análise de risco realizada pela AT limitou-se ao cruzamento automático da informação do Anexo C da modelo 3 de IRS, com as declarações acessórias de rendimentos e retenções e com o E-Fatura”, refere o documento, referindo que este procedimento se revelou “muito insuficiente no que respeita à análise dos resultados da atividade e do correto apuramento da matéria tributável com recurso à informação da IES”.p>

Tendo concluído que o controlo realizado pela AT sobre estes contribuintes “não tem sido eficaz, existindo fortes indícios de redução indevida da matéria tributável”, a IGF propõe que sejam criados indicadores de análise de risco a partir da IES e da Declaração Mensal de Remunerações, de forma a detetar indícios de subfaturação ou erosão indevida de rendimento tributável.

Em paralelo, defende uma análise e correção das situações anómalas de enquadramento em IVA e das que apontam para a existência de indícios de irregularidade no apuramento do rendimento tributável.”

 

Fonte: JN

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Contiviseu - logo_250

O desafio diário da Contiviseu, é a constante satisfação de cada um dos nossos clientes, sejam elas grandes, médias ou micro empresas, empresários em nome individual, profissionais liberais, ou associações. Temos mais de 30 anos de experiência nas nossa áreas de intervenção.

INFORMAÇÃO LEGAL

Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a uma entidade de resolução alternativa de litígios de consumo:
CNIACC – Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo.
Para mais informações consultar: www.cniacc.pt

Livro Reclamações

CONTACTOSInfo contactos
Entre em contacto connosco em caso de dúvida ou pedido de informação.
Rua Cândido dos Reis, nº51 R/C direito, 3510-057 Viseu
Segunda - Sexta: 09:00 - 19:00
Contiviseu - logo_250

O desafio diário da Contiviseu, é a constante satisfação de cada um dos nossos clientes, sejam elas grandes, médias ou micro empresas, empresários em nome individual, profissionais liberais, ou associações. Temos mais de 30 anos de experiência nas nossa áreas de intervenção.

LINKS ÚTEIS
INFORMAÇÃO LEGAL

Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a uma entidade de resolução alternativa de litígios de consumo:
CNIACC – Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo.
Para mais informações consultar: www.cniacc.pt

Livro Reclamações

CONTACTOSInfo contactos
Entre em contacto connosco em caso de dúvida ou pedido de informação.
Rua Cândido dos Reis, nº51 R/C direito, 3510-057 Viseu
Segunda - Sexta: 09:00 - 19:00

© Copyright 2020 Contiviseu | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Layoutcriativo

© Copyright 2020 Contiviseu | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Layoutcriativo