Segunda - Sexta: 09:00 - 19:00
Escritório: Rua Cândido dos Reis, nº 51 - R/C direito, 3510-057
Visite as nossas páginas sociais:

Novo lay-off muda a partir de hoje. Estas são as novas regras | Contiviseu

Outubro 1, 2020por contiviseu0

O apoio à retoma progressiva já iria mudar nestes próximos três meses, de outubro a dezembro. Mas o Governo anunciou ainda mais alterações, nomeadamente com um novo escalão para quebras mais ligeiras.

O apoio à retoma progressiva, mecanismo desenhado pelo Governo para suceder ao lay-off simplificado, entra agora numa nova fase. Mas há novidades, anunciadas pelo Executivo esta quarta-feira. Por um lado, as empresas com quebras superiores a 75% passam a poder fazer uma redução total do horário dos trabalhadores. Por outro, é criado um novo escalão, para as empresas com perdas entre 25% a 40%, que antes não estavam abrangidas por este apoio.

Desta forma, há mudanças para as empresas que foram atingidas com mais força pela pandemia. Para além de ser permitida a redução do horário a 100%, a remuneração do trabalhador (das horas não trabalhadas) pode ser assegurada na totalidade pela Segurança Social, quando antes a empresa empregadora era responsável por 30%.

No novo escalão, para empresas com quebras mais ligeiras na faturação, face ao mesmo período do ano anterior, os trabalhadores podem ter o seu horário reduzido até um terço. Já para os escalões do “meio”, para empresas com quebras a partir dos 40% e a partir dos 60%, não há mudanças face ao que já estava previsto.

* Ou um SMN (o que for mais elevado);
** A soma do apoio adicional e do apoio concedido para efeitos de pagamento da compensação retributiva não pode ultrapassar o valor de três vezes o SMN (1.905€).

Que empresas podem recorrer ao apoio?

Podem recorrer a este mecanismo as empresas de todos os setores que tenham sofrido uma quebra nos rendimentos de pelo menos 25%. Este limite mínimo estava previsto fixar-se nos 40%, mas o Governo alargou-o para incluir também as empresas com perdas mais ligeiras.

“A quebra de faturação deve ser verificada no mês civil completo imediatamente anterior ao mês civil a que se refere o pedido inicial de apoio ou de prorrogação, face ao mês homólogo do ano anterior ou face à média mensal dos dois meses anteriores a esse período ou, ainda, para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, face à média da faturação mensal entre o início da atividade e o penúltimo mês completo anterior ao mês civil a que se refere o pedido inicial de apoio ou de prorrogação”, segundo está explicado na página do Governo.

Quanto pode ser reduzido o horário do trabalhador?

Para os empregadores com menor quebra de faturação, a partir de 25%, o horário do trabalhador pode ser reduzido em um terço. Já para as empresas com perdas igual ou superior a 40%, a redução do período normal de trabalho, por trabalhador, pode ser, no máximo de 40%, enquanto para as empresas com quebras de 60% ou mais, a redução é de 60%, no máximo. Já para as empresas com quebras superiores a 75%, a redução pode ser mesmo total.

Como é contabilizada a redução do horário de trabalho?

O ministro Pedro Siza Vieira adiantou, na conferência de imprensa após a reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, que a redução do período normal de trabalho se faz numa “média mensal e não dia a dia ou semana a semana”, o que confere às empresas “maior flexibilidade”.

Quanto recebem os trabalhadores abrangidos?

Os trabalhadores que sofrerem uma redução do período normal de trabalho têm direito à “retribuição correspondente às horas de trabalho prestadas e a uma compensação retributiva mensal (limitada ao triplo do salário mínimo) no valor de 4/5 da sua retribuição normal ilíquida correspondente às horas não trabalhadas, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2020″, explica a página do Governo.

O montante mensal que o trabalhador recebe nunca pode ser inferior ao salário mínimo, 635 euros, sendo que a compensação retributiva, ou seja, a soma do apoio adicional e do apoio concedido para efeitos de pagamento da compensação retributiva, tem como limite máximo o triplo do valor do salário mínimo (1.905 euros).

Qual o apoio atribuído às empresas?

Nas empresas em que os trabalhadores têm o horário reduzido, o “empregador tem direito a um apoio financeiro (suportado pela Segurança Social) para o pagamento da compensação retributiva devida aos trabalhadores abrangidos pela redução, que corresponde a 70% da compensação retributiva”, segundo o Governo.

Agora, com as mudanças, as empresas que têm quebras superiores a 75% poderão reduzir totalmente o horário de trabalho, sendo que o pagamento ao trabalhador deverá ser pago na íntegra pela Segurança Social. Também para estas situações de maior quebra, o empregador tem ainda direito a um apoio adicional correspondente a 35% da retribuição devida pelas horas trabalhadas.

Há isenção de contribuições para a Segurança Social para as empresas?

As micro, pequenas e médias empresas têm uma dispensa parcial de 50% do pagamento das contribuições para a Segurança Social. Já as grandes empresas ficam sem isenção a partir de hoje.

Até quando vigora o mecanismo de apoio à retoma progressiva?

Vigora até ao final do ano, mas o Governo já mostrou disponibilidade para o estender, consoante a evolução da situação e da pandemia. Desta forma, poderá ser uma medida prolongada ou alterada no Orçamento do Estado para 2021.

 

Fonte: ECO

Deixar Resposta

O seu email não será publicado. Campos requeridos marcados por *

Contiviseu - logo_250

O desafio diário da Contiviseu, é a constante satisfação de cada um dos nossos clientes, sejam elas grandes, médias ou micro empresas, empresários em nome individual, profissionais liberais, ou associações. Temos mais de 30 anos de experiência nas nossa áreas de intervenção.

CONTACTOSInfo contactos
Entre em contacto connosco em caso de dúvida ou pedido de informação.
Rua Cândido dos Reis, nº51 R/C direito, 3510-057 Viseu
Segunda - Sexta: 09:00 - 19:00
INFORMAÇÃO LEGAL

Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a uma entidade de resolução alternativa de litígios de consumo: CNIACC – Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo.

Para mais informações consultar: www.cniacc.pt

Contiviseu - logo_250

O desafio diário da Contiviseu, é a constante satisfação de cada um dos nossos clientes, sejam elas grandes, médias ou micro empresas, empresários em nome individual, profissionais liberais, ou associações. Temos mais de 30 anos de experiência nas nossa áreas de intervenção.

CONTIVISEU
CONTACTOSInfo contactos
Entre em contacto connosco em caso de dúvida ou pedido de informação.
Rua Cândido dos Reis, nº51 R/C direito, 3510-057 Viseu
Segunda - Sexta: 09:00 - 19:00
INFORMAÇÃO LEGAL

Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a uma entidade de resolução alternativa de litígios de consumo: CNIACC – Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo.

Para mais informações consultar: www.cniacc.pt

© Copyright 2020 Contiviseu | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Layoutcriativo

© Copyright 2020 Contiviseu | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Layoutcriativo